quarta-feira, 26 de novembro de 2014

"SONS PERDIDOS"





Vês o céu, a campina, a natureza,
Este campo infinito de poesia?
Vês as nuvens doiradas que se agitam
Ao cair da neblina em pleno dia?

Vês as garças que pairam sonolentas
Nesta praia isolada que me inspira?
Pois, cantor, o que vês, tudo pertence
Da minh'alma sonora à rude lira.

Serenatas de brisa - vozes soltas
De folhagem bolida pelo vento,
tudo n'alma me cai como um idílio,
Tudo acolhe a sorrir meu pensamento.

Amo a terra somente pelas flores,
Pelas brumas azuis do alvorecer,
Pelas asas gentis das borboletas
Que me fazem de inveja estremecer.

Amo o céu à tardinha pelas cores
Que ele ostenta a sorrir ao pôr-do-sol;
Amo os raios da lua em noite bela...
Amo as nuvens fagueiras do arrebol.

Amo as brisas do mar - as brisas mansas
Que me inspiraram sonhos de alegria;
Que embalsama a terra onde adormeço
Ao balanço da rede em pleno dia.

A minha alma é formada de harmonias
E só vive de luz, de vibrações;
Como a flor que viceja à beira d'água,
Ela vive a cantar nas solidões.



Júlia da Costa 
em 'Flores Dispersas'
 





terça-feira, 25 de novembro de 2014

DOIS E DOIS SÃO QUATRO




Como dois e dois são quatro 
Sei que a vida vale a pena 
Embora o pão seja caro 
E a liberdade pequena 
Como teus olhos são claros 
E a tua pele, morena 
como é azul o oceano 
E a lagoa, serena 




Como um tempo de alegria 
Por trás do terror me acena 
E a noite carrega o dia 
No seu colo de açucena 



- sei que dois e dois são quatro 
sei que a vida vale a pena 
mesmo que o pão seja caro 
e a liberdade pequena.



Ferreira Gullar







domingo, 23 de novembro de 2014

MINHA TERRA




Todos cantam sua terra
Também vou cantar a minha
Nas débeis cordas da lira
Hei de fazê-la rainha. 
– Hei de dar-lhe a realeza
Nesse trono de beleza
Em que a mão da natureza
Esmerou-se em quanto tinha. 

Correi pras bandas do sul: 
Debaixo de um céu de anil
Encontrareis o gigante
Santa Cruz, hoje Brasil. 
– É uma terra de amores, 
Alcatifada de flores, 
Onde a brisa fala amores
Nas belas tardes de abril. 

Tem tantas belezas, tantas, 
A minha terra natal, 
Que nem as sonha o poeta
E nem as canta um mortal! 
– É uma terra encantada
– Mimoso jardim de fada –
Do mundo todo invejada, 
Que o mundo não tem igual.



Casimiro de Abreu (1839-1860)
in Primaveras


sexta-feira, 21 de novembro de 2014

SEI QUE DEUS MORA EM MIM...



Sei que Deus mora em mim
como sua melhor casa.
Sou sua paisagem,
sua retorta alquímica
e para Sua alegria
seus dois olhos.
Mas esta letra é minha. 

Adélia Prado
In: Oráculos de Maio, p. 73


quarta-feira, 19 de novembro de 2014

MUSICA PARA UM HINO



É possível falar sem um nó na garganta.
É possível amar sem que venham proibir.
É possível correr sem que seja a fugir.
Se tens vontade de cantar não tenhas medo: canta.

É possível andar sem olhar para o chão.
É possível viver sem que seja de rastos.
Os teus olhos nasceram para olhar os astros.
Se te apetece dizer não, grita comigo: não!

É possível viver de outro modo.
É possível transformar em arma a tua mão.
É possível viver o amor. É possível o pão.
É possível viver de pé.

Não te deixes murchar. Não deixes que te domem.
É possível viver sem fingir que se vive.
É possível ser homem.
É possível ser LIVRE, LIVRE, LIVRE.

Manuel Alegre
in O CANTO E AS ARMAS


domingo, 16 de novembro de 2014

ESPERANÇA



Muitos são os que carregam
água na peneira,
como disse o poeta Manoel de Barros,
e esperança como estrela
na lapela.
Muitos são os que acreditam
em coisas simples e limpas,
em coisas essenciais,
amor, amizade, delicadeza,
paz,
e tantas outras palavras,
antigas e urgentes.


Roseana Murray
Manual da Delicadeza de A a Z


quinta-feira, 13 de novembro de 2014

AUTO-RETRATO FALADO




Venho de um Cuiabá de garimpos e de ruelas entortadas.
Meu pai teve uma venda no Beco da Marinha, onde nasci.
Me criei no Pantanal de Corumbá entre bichos do chão,
aves, pessoas humildes, árvores e rios.
Aprecio viver em lugares decadentes por gosto de estar
entre pedras e lagartos.
Já publiquei 10 livros de poesia: ao publicá-los me sinto
meio desonrado e fujo para o Pantanal onde sou
abençoado a garças.
Me procurei a vida inteira e não me achei — pelo que
fui salvo.
Não estou na sarjeta porque herdei uma fazenda de gado.
Os bois me recriam.
Agora eu sou tão ocaso!
Estou na categoria de sofrer da moral porque só faço
coisas inúteis.
No meu morrer tem uma dor de árvore.


- Manoel de Barros,
 do "Livro das Ignorãças"


19/12/1916 - 13/11/2014


quarta-feira, 12 de novembro de 2014

SOLAR



“Minha mãe cozinhava exatamente: 
Arroz, feijão-roxinho, molho de batatinhas. 
Mas cantava”. 

Adélia Prado,
in Chorinho Doce

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

O LADO FATAL



 
 
Quando meu amado morreu, não pude acreditar:
andei pelo quarto sozinha repetindo baixo:
"Não acredito, não acredito."
Beijei sua boca ainda morna,
acarinhei seu cabelo crespo,
tirei sua pesada aliança de prata com meu nome
e botei no dedo.
Ficou larga demais, mas mesmo assim eu uso. 
 
II 
 
Muita gente veio e se foi.
Olharam, me abraçaram, choraram,
todos com ar de uma incrédula orfandade. 
 
III 
 
Aquele de quem hoje falam e escrevem
(ou aos poucos vão-se esquecendo)
é muito menos do que este, deitado em meu coração,
meu amante e meu menino ainda. 
 
IV 
 
Deus
(ou foi a Morte?)
golpeou com sua pesada foice
o coração do meu amado
(não se vê a ferida, mas rasgou o meu também).
Ele abriu os olhos, com ar deslumbrado,
disse bem alto meu nome no quarto do hospital,
e partiu. 
 
Quando se foram também os médicos e suas máquinas inúteis,
ficamos sós: a Morte (ou foi Deus?)
o meu amado e eu.
Enterrei o rosto na curva do seu ombro
como sempre fazia,
disse as palavras de amor que costumávamos trocar.
O silêncio dele era absoluto: seu coração emudecido
e o meu, varados por essa dourada foice.
Por onde vou deixo o rastro de um sangue denso e triste
que não estancará jamais. 
 
 
Insensato eu estar aqui, e viva.
O rosto dele me contempla
vincado e triste no retrato sobre minha mesa;
em outros, sorri para mim, apaixonado e feliz.
Insensato, isso de sobreviver:
mas cá estou, na aparência inteira. 
 
Vou à janela esperando que ele apareça
e me acene com aquele seu gesto largo e generoso,
que ao acordar esteja ao meu lado
e que ao telefone seja sempre a sua voz. 
 
Sei e não sei que tudo isso é impossível,
que a morte é um abismo sem pontes
(ao menos por algum tempo). 
 
Sobrevivo, mas pela insensatez. 
 
VI 
 
Pensei que estávamos apenas no começo:
a casa mal-e-mal nos alicerces.
Mas provavelmente estava concluída
e eu não sabia.
Tínhamos erguido em nossos poucos anos
as paredes necessárias;
o telhado se inclinava ao jeito certo,
e havia vidraças nas janelas.
(Éramos felizes ali dentro
mesmo com as tempestades de fora.)
Tudo se construiu num lapso tão curto:
até a porta de entrada, por onde ele saiu
casualmente como quem vai comprar jornal.
A porta está apenas encostada
embora pareça alta, dura, intransponível:
do lado de lá, o meu amor vê as maravilhas
que tanto nos intrigavam nesta vida. 
 
VII 
 
Tanto escrevi sobre a morte
em livros e poemas nesses anos:
sempre achei que a entendia um pouco. 
 
Mas agora que ela me dilacerou a vida,
me rasgou o peito,
me levou o amado,
sinto que mal começo a compreender
sua mensagem:
tirando-o de mim, a morte o devolve
para que seja mais meu. 
 
Dentro de mim um quebra-cabeças, e nele o meu amado.
Nem Deus o tirará daqui. 
 
VIII 
 
O meu amado morreu:
viver sem ele, como dói.
Não tivemos filhos juntos,
nosso passado foi tão breve que era sempre
[presente.
Um dia ele mandou fazer um par de alianças
de pesada prata, parecendo antigas;
gravou apenas nossos nomes, sem data, e disse:
"Somos um só desde sempre."
Ainda não acreditei em sua morte,
e talvez isso me salve por enquanto.
Levantar-me da cama cada dia é um ato heróico,
acender o cigarro, atender o telefone, tomar café.
Mas faço tudo isso:
falo, ando, recebo visitas.
Compro móveis para a casa onde moro sem ele,
imaginando: será que ele vai gostar? 
 
De algum secreto lugar me vem a força
para erguer a xícara, acender o cigarro,
até sorrir quando alguém me diz:
"Você hoje está com a cara ótima",
quando penso se não doeria menos
jogar-me de um décimo-primeiro andar. 
 
XIX 
 
Amado meu, agora morto,
postado do lado de lá da fronteira que nos seduzia,
mudo e quedo como se não existisses:
eu sei que existes,
intensamente, ardentemente existes,
feito e desfeito no fogo de um amor maior que o nosso
mas que nos abrange. 
 
Amado meu, morto agora e para sempre vivo,
hás de ter ainda o intenso olhar que me entendia,
as curvas amorosas da boca que chamou meu nome,
as belas, inquietas mãos que ardiam nas minhas.
Ajuda-me agora, silencioso que estás,
a suportar a sobrevida
e a decifrar esse alto, intransponível muro que me cerca. 
 
 
Nunca tivemos filhos juntos, e ele reclamava:
"Nosso amor merecia um filho ao menos. 
 
"Nosso filho é a minha dor de hoje,
é a fulguração que nos deixava tontos,
é o novelo da memória que teço e reteço
nas minhas insônias. 
 
Nosso filho é o meu tempo de agora
para falar do meu amado:
da sua força e sua fragilidade,
da sua indignação e seus prantos,
da sua necessidade de ser amado e aceito
como finalmente deve estar sendo, por inteiro,
na realização de todos os seus vastos desejos. 
 
XI 
 
O meu amor enveredou por sua morte
como quem vai a um encontro de amor:
impaciente.
Deixou-me este coração golpeado,
esta derrota.
Mas também ficou a claridade desses anos
e a sensação de que ele finalmente
vive o encontro de amor
que toda a devoção de minha vida não lhe poderia dar.
(Um dia, celebraremos juntos.) 
 
XII 
 
Se me tivessem amputado braços e pernas
e furado o coração com frias facas
e cegado meus olhos com ganchos
e esfolado a minha pele como a de um podre bicho
- nada doeria mais
que te saber morto, amado meu,
depositado
nesse irremediável poço de silêncio de onde não respondes.
(A não ser em sonho, quando me olhas
e tuas mãos tocam as minhas espalmadas,
abertas, feridas, vazias.) 
 
XIII 
 
O meu amado morreu:
preciso viver sua morte até o fim.
Morreu sem que se instalasse entre nós cansaço e banalidade.
Talvez tenha morrido na medida certa
para nada se desgastar.
Dele me vem a dor, mas também a ternura,
a claridade que me permite ver
em todos os rostos o seu rosto
em todos os vultos o seu vulto
e ouvir em todos os silêncios
o seu inesperado riso de criança 
 
XIV 
 
Estranha a vida:
fico tangendo meus dias
como um rebanho de ovelhas desordenadas
nessa triste e fria cidade de Porto Alegre
onde ele gostava de estar
olhando o pôr-do-sol e vendo amigos.
"Morrer é tomar um porre de não-desejo"
dizia o meu amado, que era um homem desejoso:
desejava a vida, desejava a morte, desejava a justiça,
desejava a eternidade e a paz. 
 
Estranha a vida:
quando releio uma frase sua,
"viver é modular a morte",
em sangue e dor preparo a minha ida. 
 
Estranho também esse amor,
com hora marcada para a mutilação
da morte, o minuto acertado,
e o fim consultando o relógio
para nos golpear. 
 
Estranho esse amor de agora,
com meu amado atrás de um espelho baço
onde às vezes penso divisar seu vulto
como num aquário.
Enrolado em silêncio,
mais que nunca o meu amor comanda a minha vida. 
 
XV 
 
Não falem alto comigo:
andem sempre na ponta dos pés.
Principalmente, não me toquem.
Finjam que não vêem se tenho um jeito absorto,
se nem sempre entendo as perguntas
com a rapidez de antigamente,
se pareço fatigada
e sem graça como nunca fui. 
 
Façam silêncio ao meu redor.
Não me interessa nada o cotidiano nem o místico.
Não quero discutir o preço do mercado
nem os grandes mistérios da eternidade. 
 
XVI 
 
Levo meu amado no peito
como quem carrega nos braços para sempre
uma criança morta. 
 
XVII 
 
Amado meu, que tanto ensinaste
de mim a mim mesma, e do mundo
a quem o conhecia pouco: 
 
quando se desfizer escura a noite desta perda,
quero enxergar pelos teus olhos,
amar através do teu amor
as coisas que me restaram. 
 
Amado meu, vivo em mim para sempre,
apesar da ruga a mais
e do olhar mais triste,
devo-te isto:
voltar a amar a vida
como agora amas, inteiramente,
a tua morte.
 
 
- Lya Luft, 
em “O lado fatal”. 1988.
 
(O poema foi escrito para Hélio Pellegrino 
após a sua morte)

(1924-1988).
 
 
 
 
 




EXCERTO LITERÁRIO



Eu gosto do absurdo divino das imagens.


Manoel de Barros ,
in- Menino do Mato

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

NO LABIRINTO




As perguntas que, criança,
eu me fazia
                     continuam
                     na idade adulta
a prosperar.

O labirinto agora me é mais familiar
tenho conversado com o Minotauro
e Ariadne 
                  tem infindáveis novelos 
para me emprestar .
Sou capaz de guiar um cego
por algumas quadras
e alguns sinais abstratos
chego a decifrar.

Habito o mistério que me habita
e isto 
                          -é caminhar.

Affonso Romano  de Sant'Anna
In Sísifo desce a montanha


segunda-feira, 3 de novembro de 2014

RUGAS



Estou amando tuas rugas, mulher. 
Algumas vi surgir, outras aprofundei.

Olho tuas rugas. 
Compartilho-as, narciso exposto
no teu rosto.

Ponho os óculos
para melhor ver tua pele
as minhas/ tuas marcas.

Sei que também me lês
quando nas manhãs percebes
em minha face o estranho texto
que restou do sonho.

O que gastou, somou. 
Essas rugas são sulcos
onde aramos a messe do possível amor.


Affonso Romano de Sant'Anna,
In Intervalo Amoroso & Outros Poemas Escolhidos




domingo, 2 de novembro de 2014

RIO GRANDE ACIMA*




Ouro, prata, cascalho, cal, barro.
O rio
e a flora Vida que acolhe e afronta.
 
Água, areia, árvores, frutas, faro.
O rio
e a fauna que há séculos alimenta.
 
Rumo País acima sobre eras além.
O rio,
seus braços, boca e veia
amazônica - no bravo dorso de Belém.
 
Avanço com o grande rio;
avisto Atlântico oceano - delta além.
 
Avanço com o grande rio,
vomito peixes, estrelas, rimas fáceis.
 
(Saúdo a bendita companhia dos botos)
 
Avanço com o grande rio,
seu visceral odor e perene casto lavor.
 
Avanço com o grande rio,
suas artérias abertas; sua cara dor.
 
Enveredo por sua atávica coreografia;
sua capilaridade que revela orgânico plano.
 
Armo redes, deito esteiras rente ao mar:
naquele espoucar de estrelas, aspiro
cometas insanos em sua trajetória sã.
 
Olhar e ver; avançar com o grande rio,
fauna e floresta afoitas, a força do Verde,
que tudo abarca - nunca é tarefa vã!
 
 
*Jairo De Britto,
 em "Dunas de Marfim"

REFLEXÃO PARA O DIA DE FINADOS



Morrer, enfim, é realizar o sonho
que todas as crianças têm...
O motivo? Só elas sabem muito bem:
Fugir... fugir de casa!

Mario Quintana ,
in Velório sem defunto - 1990





sexta-feira, 31 de outubro de 2014

CHOVE




Chuva
Chuva
Chuva
Vontade
Chuva
De fazer não sei bem o que seja
Vontade de escrever Sagesse, de Verlaine
E a tarde gris, tão viúva,
Vai derramando perenemente
as suas lágrimas de chuva
Abundantes
Como lágrimas de fita cômica
Cômica
Cômica

Mario Quintana
In Preparativos de Viagem

POÇAS D'AGUA




As poças d’água são um mundo mágico
Um céu quebrado no chão
Onde em vez das tristes estrelas
Brilham os letreiros de gás Neon.

Mario Quintana,
in Preparativos de viagem


O ANTINARCISO



Esse estranho que mora no espelho
(e é tão mais velho do que eu)
olha-me de um jeito de quem
procura adivinhar quem sou.

Mario Quintana,
in Caderno H


HAI-KAI DE PRIMAVERA



Tua orelha num frêmito desnuda-se:
O que seria
O que seria que te disse o vento?!

Mario Quintana,
in Preparativos de Viagem

ESTA GENTE



Esta gente cujo rosto 
Às vezes luminoso 
E outras vezes tosco 

Ora me lembra escravos 
Ora me lembra reis 

Faz renascer meu gosto 
De luta e de combate 
Contra o abutre e a cobra 
O porco e o milhafre 

Pois a gente que tem 
O rosto desenhado 
Por paciência e fome 
É a gente em quem 
Um país ocupado 
Escreve o seu nome 

E em frente desta gente 
Ignorada e pisada 
Como a pedra do chão 
E mais do que a pedra 
Humilhada e calcada 

Meu canto se renova 
E recomeço a busca 
De um país liberto 
De uma vida limpa 
E de um tempo justo 


 Sophia de Mello Breyner Andresen,
 in "Geografia",


segunda-feira, 27 de outubro de 2014

ASA IMÓVEL




O barco, com sua braçada
de flores, cheio de terra.

Asa imóvel, desterrada
aventura, que se encerra.

Ausente de tudo, absorto,
sem dor, sem mar, sem cansaço,

abismado em seu espaço:
- barco enfim chegado ao porto.


Hélio Pellegrino
In: Minérios Domados

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

TRIUNFO DAS NULIDADES



(excerto de discurso parlamentar)

"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver
 prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça,
 de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus,
 o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra,
 a ter vergonha de ser honesto."

 Rui Barbosa 
in Obras Completas 

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

A UM TRISTE



Outras almas talvez já foram tuas:
Viveste em outros mundos... De maneira
Que em misteriosas dúvidas flutuas,
Vida de vidas múltiplas herdeira!


Servo da gleba, escravo das charruas
Foste, ou soldado errante na sangueira,
Ou mendigo de rojo pelas ruas,
Ou mártir na tortura e na fogueira...


Por isso, arquejas num pavor sem nome,
Num luto sem razão: velhos gemidos,
Angústias ancestrais de sede e fome,


Dores grandevas, seculares prantos,
Desesperos talvez de heróis vencidos,
Humilhações de vítimas e santos...


Olavo Bilac
In ‘Tarde’ (1919)


DEFESA




Cada alma é um mundo à parte em cada peito...
Nem se conhecem, no auge do transporte,
Os jungidos do vínculo mais forte,
Almas e corpos num casal perfeito:

Dormindo no calor do mesmo leito,
Votando os corações à mesma sorte,
Consigo levam à velhice e à morte
Um recato de orgulho e de respeito...

Ficam, por toda a vida, as duas vidas
Na mais profunda comunhão estranhas,
No mais completo amor desconhecidas.

E os dois seres, sentindo-se tão perto,
Até num beijo, são duas montanhas
Separadas por léguas de deserto...


Olavo Bilac
In ‘Tarde’ (1919)


quarta-feira, 22 de outubro de 2014

MISSA



Na singela capela
há um pêndulo oficiante.
Enquanto no altar claro
o sacerdote invoca o Eterno,
em cânticos ardentes
e inenarráveis gemidos
o pêndulo vai marcando, 
vai contando
inexoravelmente
os minutos perdidos.


Tasso da Silveira 
Poemas de Antes – l.966 –

domingo, 19 de outubro de 2014

ANTES QUE A TARDE AMANHEÇA...



Antes que a tarde amanheça
e a noite vire dia
põe poesia no café
e café na poesia.

Paulo Leminski,
in Toda Poesia






RETRATO ANTIGO



Quem é essa que me olha
de tão longe,
com olhos que foram meus?

Helena Kolody,
in Viagem no Espelho


FLORAL




É isso.É primavera.
estou feliz, em febre.
Outros
politizam suas dores.
Eu
me polenizo
ou polemizo
- com as flores.


Affonso Romano de Sant'Anna,
in Poesia Reunida






segunda-feira, 13 de outubro de 2014

AMO A MANSIDÃO




A mansidão eu amo e sempre que entro
pelos ermos umbrais da escuridão
abro os olhos para enchê-los
da doçura dessa paz.


A mansidão eu amo sobre todas
as coisas deste mundo.


Na quietude das coisas eu descubro
um canto enorme e mudo.
E quando elevo os olhos para o céu
no estremecer das nuvens eu encontro,
na ave que cruza o espaço e até no vento
a doçura que flui da mansidão.

Pablo Neruda,
in "Cadernos de Temuco"

domingo, 12 de outubro de 2014

PROCURA-SE ALGUM LUGAR DO PLANETA



onde a vida seja sempre uma festa
onde o homem não mate nem bicho nem homem
e deixe em paz
as árvores na floresta.
Procura-se algum lugar no planeta
onde a vida seja sempre uma dança
e mesmo as pessoas mais graves
tenham no rosto um olhar de criança.


Roseana Murray
in Classificados Poéticos, ed. Moderna

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

CADA PALAVRA UMA FOLHA




Cada palavra uma folha
no lugar certo. 

Uma flor de vez em quando
no ramo aberto. 

Um pássaro parecia
pousado e perto.

Mas não: que ia e vinha o verso
pelo universo. 

Cecília Meireles.
de Metal Rosicler





sábado, 4 de outubro de 2014

O DOCE CONVÍVIO




Teus silêncios são pausas musicais.

Mario Quintana,
in Caderno H 




DA RELATIVA REALIZAÇÃO



Mover-se com a máxima amplitude
dentro dos próprios limites...

Mario Quintana,
in Caderno H






BIOGRAFIA




Entre o olhar suspeitoso da tia
E o olhar confiante do cão
O menino inventava a poesia...

Mario Quintana,
in Apontamentos de história sobrenatural







QUEM AMA...




Camões escreveu:
"Quem ama inventa as penas em que vive"
"Quem ama inventa as coisas a que ama",
acrescentaria eu, se a tanto me
atrevesse.

Mario Quintana,
in Da preguiça como método de trabalho









XX



Estou sentado sobre a minha mala
No velho bergantim desmantelado...
Quanto tempo, meu Deus, malbaratado
Em tanta inútil, misteriosa escala!

Joguei a minha bússola quebrada
Às águas fundas... E afinal sem norte,
Como o velho Sindbad de alma cansada
Eu nada mais desejo, nem a morte...

Delícia de ficar deitado ao fundo
Do barco, a vos olhar, velas paradas!
Se em toda parte é sempre o Fim do Mundo

Pra que partir? Sempre se chega, enfim...
Pra que seguir empós das alvoradas
Se, por si mesmas, elas vêm a mim?

Mário Quintana
in Rua dos Cataventos

ESSA LEMBRANÇA QUE NOS VEM



Impossível fazer um poema
neste momento.
Não, minha filha, eu não sou música
-sou o instrumento.

Sou, talvez, dessas máscaras ocas
num arruinado momento: 
empresto palavras loucas
à voz dispersa do vento..."


Mário Quintana
In Apontamentos de história sobrenatural

CARRETO



Amar é mudar a alma de casa.

- Mario Quintana,
in: Sapato Florido, 1948.

SE EU FOSSE UM PADRE



Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões,
não falaria em Deus nem no Pecado
- muito menos no Anjo Rebelado
e os encantos das suas seduções,

não citaria santos e profetas:
nada das suas celestiais promessas
ou das suas terríveis maldições...
Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,

Rezaria seus versos, os mais belos,
desses que desde a infância me embalaram
e quem me dera que alguns fossem meus!

Porque a poesia purifica a alma
... a um belo poema - ainda que de Deus se aparte -
um belo poema sempre leva a Deus .


Mario Quintana,
in AntologiaPoética





XXIII




Cidadezinha cheia de graça...
Tão pequenina que até causa dó!
Com seus burricos a pastar na praça...
Sua igrejinha de uma torre só...

Nuvens que venham, nuvens e asas,
Não param nunca nem um segundo...
E fica a torre, sobre as velhas casas,
Fica cismando como é vasto o mundo!...

Eu que de longe venho perdido,
Sem pouso fixo (a triste sina!)
Ah, quem me dera ter lá nascido!

Lá toda a vida poder morar!
Cidadezinha... Tão pequenina
Que toda cabe só num olhar...

- Mario Quintana, 
in: A Rua dos Cataventos, 1940.


UMA FRASE PARA ÁLBUM



" Há ilusões perdidas mas tão lindas que a gente as vê
partir como esses balõezinhos de cor que nos
escapam das mãos e desaparecem no céu ..."

Mario Quintana , 
in " A vaca e o Hipogrifo "



UMA SIMPLES ELEGIA



Caminhozinho por onde eu ia andando
e de repente te sumiste,
_o que seria que te aconteceu?
Eu sei.., o tempo... as ervas más... a vida...
Não, não foi a morte que acabou contigo:
Foi a vida.
Ah, nunca a vida fez uma história mais triste
que a de um caminho que se perdeu...

Mario Quintana,
in A Vaca e o hipogrifo


O ENCONTRO




Subitamente
na esquina do poema, duas rimas
olham-se, atônitas, comovidas,
como duas irmãs desconhecidas...

Mario Quintana
In Baú de Espantos


GERMINAL




Planto
com emoção
este verso em teu coração

Mario Quintana
in A Vaca e o Hipogrifo



XXI DAS ILUSÕES



Meu saco de ilusões, bem cheio tive-o.
Com ele ia subindo a ladeira da vida.
E, no entretanto, após cada ilusão perdida...
Que extraordinária sensação de alivio!


Mario Quintana
In: Espelho Mágico




AS VIAGENS




O encanto de viajar está na própria viagem.
A partida e a chegada são meras interrupções
num velho sonho atávico de nomadismo.
Por outro lado, dizem todas as religiões que
estamos apenas de passagem no mundo.
E isto é que faz querermos tanto a esta 
vida passageira.

- Mario Quintana,
in: Da Preguiça como Método de Trabalho, 1987.



O ETERNO ESPANTO




Que haverá com a lua que sempre que a gente 
a olha é com o súbito espanto da primeira vez?

Mario Quintana;
Da preguiça como método de trabalho, 1987



A HARMONIA DAS FORMAS



Antes, elas eram violões. Hoje viraram
violinos. Naturalmente, continuam raríssimos
os Stradivarius...

Mario Quintana,
in Apontamentos de História Sobrenatural


BILHETE



Se tu me amas, ama-me baixinho
Não o grites de cima dos telhados
Deixa em paz os passarinhos
Deixa em paz a mim!
Se me queres,
Enfim
tem de ser bem devagarinho, Amada,
que a vida é breve, e o amor mais breve
ainda...

Mario Quintana
In Melhores Poemas

MÃE




São três letras apenas,
As desse nome bendito:
Três letrinhas,nada mais...
E nelas cabe o infinito
E palavra tão pequena
-confessam mesmo os ateus-
És do tamanho do céu!
E apenas menor do que Deus...

Mario Quintana 
in Lili Inventa o Mundo


PEQUENO POEMA DIDÁTICO



Para Liane dos Santos

O tempo é indivisível. Diz,
Qual o sentido do calendário?
Tombam as folhas e fica a árvore,
Contra o vento incerto e vario.

A vida é indivisível. Mesmo
A que se julga mais dispersa
E pertence a um eterno diálogo
A mais inconseqüente conversa.

Todos os poemas são um mesmo poema,
Todos os porres são o mesmo porre,
Não é de uma vez que se morre...
Todas as horas são horas extremas!

E todos os encontros são adeuses!

Mario Quintana, 
in Apontamentos de História Sobrenatural